segunda-feira, 30 de junho de 2014

Pedalzinho básico pela ciclofaixa.

Ontem, depois de uns dois meses sem pedalar, fui dar um rolezinho na ciclofaixa. E eu reparei que pintaram a ciclovia do Parque do Povo... bom, pelo menos 90% dela, falta uma parte, ainda. Mas já é um começo.
 
Depois do pedal, me senti ultra-hiper-super-feliz.... só as dores pelo corpo que não. (risos)



Boas pedaladas!

sexta-feira, 27 de junho de 2014

Bike courier: Marlon Moreira de Castro

 
Eu nunca falei sobre esta profissão aqui no meu blog, e para estrear eu entrevistei Marlon, um bike courier bem animado que mora em São Bernardo do Campo, na grande São Paulo.
 
Pé de Vela: Qual teu nome e tua idade?
Marlon Moreira de Castro, 34 anos.

Pé de Vela:  Como você começou a pedalar?
Para sair de uma depressão. Quando quando comecei a pedalar, eu estava muito mal, logo que eu comecei a ficar mais dias pedalando e cada vez mais indo mais longe, eu comecei a sentir aquela sensação de liberdade, de conseguir chegar mais rápido do que os carros nos lugares e de graça ahahahah
 
Pé de Vela: Como você se tornou um bike courier?
Meu amigo Pedro que me arrumou. Ele viu que eu pedalava bastante e me levou para uma empresa que não é que estou agora.

Pé de Vela:  Há quanto tempo trabalha como bike courier?
2 anos e meio

Pé de Vela: Trocaria essa profissão por outra? Por quê?
Sim trocaria. Porque eu adoro o que estou fazendo hoje, mas não é uma profissão que você consegue manter por muito tempo, muitos quilômetros para percorrer por São Paulo. O problema não está na distância, mas no desgaste físico. Tem dia que o corpo não quer saber de pedal.

Pé de Vela: Qual o momento mais difícil que você teve com essa profissão?
Quando o canote da bicicleta rachou e eu tive que voltar para casa a pé empurrando a bike. Foram 18 quilômetros da paulista até Bernô City (nome carinhoso que dou para São Bernardo do Campo). Fora o peso que carregava na mochila juntando com mais de 90km que havia percorrido no dia ensolarado. Tenso !

Pé de Vela: Qual o momento mais gratificante que você com essa profissão?
A cara que as pessoas fazem quando não acreditam o quão veloz somos ao entregar as "O s" (Ordem de serviço) em relação aos outros serviços de entrega.

Pé de Vela: O que você faz quando tem que pedalar em temperaturas diferenciadas?
Tem que trabalhar muito o psicológico, equipamento adequado ajuda bastante, mas para ter força de vontade nessas situações não pode faltar e manter-se motivado durante o dia é fundamental. 

Pé de Vela: Como é a tua alimentação?
Fast food, comidas gordurosas ,refrigerante etc, não faz parte do meu cardápio diário. Busco alimentos saudáveis e, mantenho uma dieta equilibrada. Não adianta pedalar comendo produtos que não lhe oferecem energia e nutrientes adequado para seu corpo produzir. Você consegue comparar um veículo motorizado com um ciclista. Os dois precisam de água para não "fundir", os dois precisam de "combustíveis de qualidade para máximo rendimento do "grupo motor", e os dois precisam de descanso para não fadigarem.

Pé de Vela: Você também pedala nos seus horários livres?
Sim ....durante a semana mais difícil, porque durante o dia com certeza você matou a fome de bike daquele dia...mas de sábado, vou para área de treino que existe aqui em Bernô.

Pé de Vela:  Seu dia-a-dia como bike courier afeta tua vida pessoal? Se sim, de qual forma?
Sim... por mudar de opção de transporte e de trabalho. Agora eu tenho mais tempo para me cuidar e aproveitar o tempo livre para estudar por exemplo.

Pé de Vela: O que você diria para quem quer começar a trabalhar como bike courier?
Para que use com sabedoria o dinheiro que é ganho. Investir o dinheiro em algo que te faça evoluir profissionalmente.

Pé de Vela: Qual a mensagem você deixaria para todos que trabalham nessa profissão?
Se você quer chegar a um lugar no qual a maioria não chega, precisa fazer algo que a maioria não faz.
 
Pé de Vela: Alguma outra mensagem?
A inclusão da bicicletas nas grandes metrópoles é inevitável. Cego é aquele que não se preparar para deixar seu veículo em casa e utilizar um transporte alternativo.
 
Boas pedaladas!

quinta-feira, 26 de junho de 2014

Um loja para pedalar...

Mais um comercial para babar... vamos todos pedalar numa loja dessas?


Boas pedaladas!

quarta-feira, 25 de junho de 2014

Emoção demais!

Só quem pedala sabe o que é sentir as mais derivadas sensações em cima da magrela, mas, na minha opinião, esse vídeo superou tudo. É apenas um comercial da Specialized (aliás, eu não tenho uma bike dessa marca...hehehe), mas descreve exatamente o que é pedalar... eu achei sensacional.
Assista o vídeo e fique arrepiado. Boas pedaladas.
 
 
video
 

terça-feira, 24 de junho de 2014

Somos todos idiotas!


Eu descobri que eu sou idiota, afinal eu sei andar de bicicleta. Eu fico imaginando quantos idiotas felizes estão pedalando por ai. Idiotas pedalando para o trabalho, a fim de evitar o tráfego intenso da cidade. Idiotas pedalando para ter mais saúde, idiotas pedalando para se divertir, idiotas pedalando para conhecer lugares e pessoas novas, ou idiotas pedalando pelo simples prazer de pedalar.
Sim, eu sou idiota e com muito orgulho. Eu sou uma das poucas pessoas que aprenderam a pedalar sozinha, porque a minha mãe não tinha muita paciência para me ensinar (minha mãe não queria me dar aulas?????). E naquela época, uns 34 anos atrás, a bicicleta era algo para poucos, menos ainda tínhamos instrutores de bicicletas... eu acho que nem cogitávamos a ideia de contratar alguém para me dar aulas de bike.
Vim de uma família relativamente pobre, e minha mãe comprou bicicletas usadas para dar para suas três filhas. Eu nem liguei que era usada, só queria pegar a minha magrela verde e sair pedalando. Nunca me senti tão idiota naquele dia. Só uma idiota, como eu, pode descrever a maravilhosa sensação de pegar uma bicicleta e pedalar, sentir o vento no rosto e levar alguns tombos. Pois é, esqueci... eu não era tão idiota assim, afinal eu não tive aulas para aprender a pedalar.
Se aprender a pedalar fosse tão fácil assim, eu não teria começado com as famosas rodinhas de plástico, e depois levado uns tombos básicos quando resolvi tirar as tais rodinhas. Será que os lojistas que vendem essas rodinhas até hoje são idiotas também?
Bom... eu prefiro pensar igual a mãe de Forrest Gump: idiota é quem faz idiotices.
Idiota é estacionar em vagas reservadas para idoso ou deficiente; não dar o lugar para o idoso, deficiente ou pessoas grávidas para sentar; dirigir acima do limite de velocidade permitido; colar na prova achando que está enganando o professor; não atravessar na faixa de pedestres... O que mais? Preciso de mais idiotices...
Só um detalhe nessa história toda: a minha mãe não é idiota, sabia? Ela, infelizmente, não sabe pedalar e nunca teve aulas para aprender... mas será que ela se sente bem sabendo disso? Não! Ela quer ser uma idiota como eu, e sou eu quem vai dar aulas para ela. Seremos duas idiotas felizes, mas sabendo pedalar!
 
Boas pedaladas, idiotas!
 
OBS: se você não entendeu o texto escrito, por favor, clique na imagem do post e veja o comentário da Manuela Siqueira... e deixe seu comentário.

Ter uma bicicleta não significa que você saiba pedalar, não é mesmo?

Abaixo eu deixo uma cena da série Friends que comprova bem isso.

segunda-feira, 23 de junho de 2014

Pedalando em grandes cidades.



Cinco coisas que você deve se preocupar ao pedalar em grandes cidades.

1. Buracos. Numa cidade que sempre está “consertando” as ruas, abrindo e fechando buracos, eles são a deterioração da cidade. Evite desviar de um deles bruscamente. Lembre-se que algum motorista, vindo por atrás, pode atropelá-lo. Às vezes, mais o seguro a fazer é frear um pouco e passar através do buraco.

2. Caminhões de lixo. Evite pedalar atrás deles, afinal, o cheiro é insuportável. Desmonte da bicicleta, e anda pela calçada. Ou, se estiver seguro, ultrapasse o caminhão, mas antes se certifique que não vem um veículo atrás de você.

3. Taxistas. Muito cuidado. Eles param e saem sem avisar. Evite-os ou dê uma boa distância ao ultrapassa-los.

4. Carros estacionados ao longo da calçada. Deixe espaço suficiente para que eles possam abrir as portas sem te acertar. Ou em alguns casos, buzine. Pode ser que alguém perceba que você está passando por perto.

5. Inesperados ciclistas ou ciclistas que usam a bike como ferramenta de trabalho (entregadores). Muitos pedalam de qualquer jeito e nem sabem como realmente pedalar nas ruas. Seja paciente com eles, e evite lugares que tem muitos deles.

Texto adaptado do livro Heels on Wheels de Katie Dailey.


Boas pedaladas!

quinta-feira, 5 de junho de 2014

Dormência nas mãos e braços


Você já sentiu tuas mãos ou braços dormentes durante uma pedalada? Eu já... (risos), e o que muitos não sabem, é que isso é um problema que pode ser solucionado, pois está ligado a alguns fatores: postura, altura do guidão, tensão... vejam o vídeo do meu amigo, Sérgio Coelho, comentando sobre o assunto. Ele é ciclista do pelotãoEV e tem feito vídeos bem interessantes para quem gosta de pedalar na estrada.


 
Boas pedaladas!

quarta-feira, 4 de junho de 2014

Bike na pele: Carlos Eduardo


Carlos Eduardo, morador de São Paulo, também resolveu colocar a sua paixão na pele. Ele é ciclista do TJJ (Tamo Junto Jockey)
 
Gostaram? Manda a tua foto com a tatuagem de bicicleta que eu postarei aqui: tcarmonario@gmail.com
 
Boas pedaladas.

terça-feira, 3 de junho de 2014

Eu ainda quero ver SP assim!


São Paulo, cidade do tráfego intenso, do transporte público precário... mas eu ainda acredito que podemos ter uma São Paulo igual a Amsterdam. (ah... não custa nada sonhar, né?)


Boas pedaladas!

segunda-feira, 2 de junho de 2014

Faça parte dessa campanha: 10% do FUNDURB para bicicletas!


Quando eu comecei a pedalar em 2005, São Paulo não tinha a Ciclovia do Rio Pinheiros, a Ciclofaixa de Lazer e Ciclorrotas. Em menos de 10 anos, tudo isso foi construído com muito esforço e luta de pessoas que querem ver São Paulo melhor, e por uma cidade que apoia os ciclistas e melhorar a sua mobilidade urbana.

Se você ainda não está satisfeito com o que tudo conquistamos até hoje e ainda temos muito o que melhor, assine essa petição: 10% do FUNDURB para investimentos em mobilidade para ciclistas.

Veja o vídeo abaixo e depois clique aqui para assinar a petição. Eu já assinei e você?



Boas pedaladas.