sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Último post do ano de 2011.

Apesar de eu já ter deixado um cartão desejando um 2012 maravilhoso, aqui vai outro cartão para desejar muita saúde para todos nós, para poder pedalarmos muito em 2012, porque sem saúde, nada mais funciona bem.

 
e hoje tem texto meu no BioCicleta onde faço um balanço do ano de 2011. E você, já fez o seu?

Muitas pedaladas em 2012!

segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

Esse filme eu não vou perder!

Trailer da autobiografia de Lance Armstrong. Imagina se eu não vou estar num cimena em 2012 para ver esse filme? A-ham...

Eu já li o livro em inglês e em português... ôxi!

Boas pedaladas!

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Como pedalar no trânsito?: acidentes cometidos por motoristas (3)



Você está pedalando tranquilmente, e está vindo um veículo atrás de você, ele não está muito longe, mas ele se aproxima de você, o motorista resolve fazer um desvio para esquerda (pois ele(a) não tive te visto ali pedalando), a fim de ultrapassá-lo. E o veículo que está na outra pista contrária, provavelmente irá sair da rua, e aí sabe-se lá Deus o que poderá acontecer. Fora o susto, que você ciclista, irá tomar somente com o desvio que o veículo fez à esquerda.

Numa situação como essa, provavelmente, o ciclista não sairá machucado, pode sofrer um susto, mas as outras pessoas podem se machucar. 

Para evitar esse tipo de situação, o ciclista deve usar roupas bem coloridas, seja durante o dia ou durante à noite, a fim de ser visto pelos motoristas bem antes que ele tome a decisão de fazer um desvio somente quando ele estiver perto de você.

Texto adaptado do site Ken Kifer Bikes Pages.

Boas pedaladas!

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Como pedalar no trânsito?: acidentes cometidos por motoristas (2)



Repare bem na imagem acima. 

Você está pedalando muito perto da guia, e um carro passa muito próximo a ti e "plaft", bate o retrosivor em você, podendo te causar uma queda.

Nós sabemos que você não deve pedalar muito próximo à guia, pois se você precisar se desviar de um carro ou de um buraco, você terá mais espaço para isso. Mas também sabemos que o carro deve passar por você em uma distância de 1,5m, portanto, sempre pedale no meio da pista da direita, a fim de ter espaço para desviar-se de alguma coisa ou até mesmo para ser visto por outros motoristas. 

Sempre use roupas coloridas e use pisca-alerta e lanternas mesmo durante o dia. 

Seja visto, faça-se ser visto.

Texto adaptado do site Ken Kifer's Bike Pages.

Boas pedaladas!

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Holanda, país que pedala! - parte 3

Esta ciclovia é sensacional, apesar de ser compartilhada com scooters, coisa que eu não acho legal. Tem até elevador!

Ela fica na area portuária de Rotterdam, e apesar de não ter a melhor vista, ela é uma ciclovia excelente.


Boas pedaladas!

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

Holanda, país que pedala! - parte 2

Veja que magnífica infraestrutura na Holanda. Hartelfietsbrug é o nome de uma ciclovia de 600 metros, perto da ponte Spijkenisse, e apesar do nome difícil de pronunciar e de ler, veja a simplicidade dessa construção que ajuda os ciclistas a pedalarem nesta região.

Repare também no sistema de energia eólica. Holanda, um país politicamente correto.


Boas pedaladas!

domingo, 18 de dezembro de 2011

Bike nova, trajeto novo...

Já que eu não consegui vender a minha dobrável da Blitz, eu peguei ela e mais uma outra bike que eu havia ganhado do CAB em 2008 no passeio internacional da mulher, e troquei por uma alemazinha chamada Vortex. A bike não é nova, mas ele, proprietário da Ciclo Seabra Bicicletaria, trocou umas peças para mim. Ela ficou linda e uma delícia de pedalar, apesar do peso.

E para estreiar a minha nova filhota (é assim que eu chamo minhas magrelinhas) eu fui pedalar na ciclofaixa de SP, e aproveitei a ocasião para pedalar no novo trajeto para a av. Faria Lima, e adorei! Muito mais seguro e passei por lugares que eu não havia passado antes de bike, somente de carro ou a pé. Foi outra visão do lugar, maravilhoso!

Só lamento pelas ruas estarem tão mal conservadas e pelos corredores que insistem em correr na ciclofaixa, e o que é ainda pior, na mesma mão das bikes. Eles não entendem que podem ser atropelados tanto por bikes quanto por carros. Vejam a foto abaixo:

Uma das pessoas que ficam com as bandeiras para orientar os ciclistas até chamou a atenção de um corredor (parabéns para ela), mas sabe o que ele fez? Um sinal de agradecimento, mas continuou correndo na ciclofaixa. Lamentável. Eu queria ver se fosse o contrário, acho que eles iam matar nós ciclistas. Eles têm tanto lugares mais seguros para correrem, por que insistem na ciclofaixa? Pelo menos, corra na contramão, assim você tem melhor visão dos carros e das bikes, e poderá desviar com antecedência, sem provocar um acidente.

Eu saí de casa às 7h. Eu gosto de pedalar na ciclofaixa bem cedo, assim não pego aquela muvuca de pedalantes depois de um certo horário. Infelizmente, assim como temos motoristas de final de semana, temos ciclistas de finais de semana, e morro de medo de me trombar com algum deles, eu gosto de pedalar para relaxar, e não para me estressar.

Uma pena que a ciclofaixa não funciona durante a semana, né?




Boas pedaladas!

sábado, 17 de dezembro de 2011

Estamos com a nossa primeira parceria.






Hoje fechamos a parceria entre o Pé de Vela blog e Ciclo SEABRA Bicicletaria.


Eu conheço essa galera desde quando comecei a pedalar, ou seja, praticamente 7 anos. Eu confio muito, o serviço é bom e o atendimento maravilhoso.

Em breve faremos algumas promoções aqui no blog com o apoio da Ciclo SEABRA Bicicletaria.

Para saber mais sobre a bicicletaria, clique aqui.

Sucesso para todos nós! Que em 2012 a gente possa dar muitas pedaladas e fazer muitas promoções para os nossos leitores.
Feliz 2012!

a equipe (da esquerda para direita): Dacson, Genário, Douglas e Júnior

Boas pedaladas!

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

Driven, by Leopard Trek - você tem que assistir

Vocês conhecem essa série "Driven" feita pela equipe Leopard Trek?

Se já viu, saboreiem-se novamente, se não viu, babem!

O único porém é que está em inglês, e para quem não sabe inglês, isso será apenas um pequeno detalhe, já que as imagens são maravilhosas e falam por si sós!






Boas pedaladas!

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Como pedalar no trânsito?: acidentes cometidos por motoristas (1)

Eu já falei sobre essa situação várias vezes, mas não custa nada falar dela mais uma vez.

Reparou na foto acima?

Você está em um cruzamento, e o carro, que está atrás de você ou ao seu lado, quer fazer uma conversão à direita. De duas, uma: ou você acelera as pedaladas ou ele, o motorista, buzina para avisar que vai fazer a conversão.

Será que isso funciona na prática? Creio que não.

Muitos motoristas não percebem ou não ligam para o ciclista que está na pista à direita, e na hora de fazer uma conversão à direita, como mostra a imagem, ele acaba fechando o ciclista, e pode atropelá-lo.

Eu já vivi uma situação dessa - quem pedala vive diversas situações - e a mulher que estava ao meu lado, simplesmente não buzinou para nos avisar, pois eu estava acompanhada de um amigo, e ela quase nos atropelou. 

Eu tenho que dizer uma coisa que as mulheres não vão gostar, apesar de eu também ser mulher: mulher no volante... é isso mesmo, perigo total. Toda vez que algo acontece comigo que envolva um veículo, quando vou reparar no motorista, percebo que é uma mulher, infelizmente.

Eu costumo sinalizar com a mão esquerda, apontando para o chão, que eu vou me manter na pista, e seguir em frente, ou seja, não vou virar à direita, a fim de avisar o motorista que está atrás de mim, e esperar o momento certo para que ele(a) faça a tal conversão.

Alguns motoristas buzinam a fim de nos avisar que irão virar à direita, afinal de contas, espelho retrovisar na bicicleta não serve para nada, e quem disse que motorista usa pisca-alerta? Nada como uma pequena buzinada para avisar o ciclista para acelerar as pedaladas ou apenas para avisar que a conversão será feita e não atropelá-lo.

Escrever é tão fácil. Eu queria ver isso funcionar na prática.

Boas pedaladas!

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

nova série: Como pedalar no trânsito? Acidentes cometidos por motoristas.


A partir de hoje iniciarei uma série de posts novos sobre “Como pedalar no trânsito?”

Desta vez falarei de acidentes que podem ser cometidos pelos veículos. Os textos são adaptados do site Ken Kifer Bike Pages.

Mas antes de iniciar a nova série, vamos a alguns conselhos:

  • Obedeça sempre as leis de trânsito, elas se aplicam às bicicletas também, portanto, as bikes fazem parte do fluxo natural do trânsito.

  • Fique alerta sempre que outros veículos estiverem por perto, e preste atenção ao comportamento deles.

  • Esteja sempre visível. Use roupas coloridas durante o dia, luzes e refletores à noite.

  • Utilize uma rota segura.

  • Mantenha a bike sempre em boas condições para trafegar no trânsito.
 
Quando estamos pedalando devemos ter a atenção mais que redobrada, temos que elevar a atenção à décima potência, porque tudo pode acontecer, e uma pequena distração pode ser fatal.

Ao pedalarmos, nós mantemos a nossa magrela à direita, próxima à guia das calçadas, e nesse momento devemos sempre ter em mente que há casas, edifícios, empresas, etc que possuem garagem e que os motoristas desses carros, motos, caminhões podem não estar prestando atenção no trânsito, ao retirá-los da garagem – a atenção maior é para os pedestres neste momento - e não perceber que pode estar vindo um ciclista pelo tráfego de veículos.

Eu mesma já passei por situação semelhante, várias vezes, e uma eu quase fui atropelada pela motorista que retirava o carro da calçada, mas estava olhando para o outro lado e não viu que eu estava no caminho. Ainda bem que eu estava atenta, e consegui desviar o carro.

Às vezes numa situação como essa, nem a buzina funciona, então o caso é gritar para que o motorista o veja, ou senão, pare a bicicleta e espero o condutor fazer a manobra, muitos nem reparam o que estão fazendo, eles(elas) querem é mesmo entrar na rua e dirigir.

Quando você estiver pedalando, procure não fazer uma curva bruscamente a fim de evitar ser atropelado, pois atrás de você pode estar vindo outro veículo, e aí a tentativa de evitar um acidente vai ser complicado.

Faça o possível para não pedalar rente aos carros estacionados, ou muito próximo à calçada, pois se você precisar se desviar de um carro que está saindo de uma garagem o espaço da rua em que você está pedalando poderá ser útil e não acontecer um acidente com um veículo que pode estar atrás de você.

Sempre prestas atenções aos veículos estejam eles em movimento ou não, e mantenha suas mãos sempre próximas aos freios da sua bicicleta. Da mesma forma que um carro possa estar saindo de uma garagem, um carro estacionado pode abrir a porta, e o processo será o mesmo.

Como eu disse antes, qualquer problema pare a bike e espere. Jamais coloque a SUA vida em risco.

Boas pedaladas!

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Arte de bike! (2)

Final de ano, férias escolares, e um certo tempo livre. Eu não sei se isso é bom, porque eu sou autônoma, portanto, eu só recebo se eu der aulas... ai, ai, ai.

Mas como eu também adoro fazer artesanato, eu resolvi juntar a fome com a vontade de comer. E fazer da minha paixão, arte!

Aqui está um quadro de 14,5cm x 14,5cm que eu fiz esses dias, e se você estiver interessado, aceito encomenda. 


Valor: R$25,00 (com 40% de sinal)
Frete: por conta do cliente
Contato: pe_devela@hotmail.com

E boas pedaladas!

sábado, 10 de dezembro de 2011

Arte de bike!

Na falta de um tempo bom, e fico em casa fazendo arte... hehehe

Eu transformei essa caixa ai debaixo...



...nesta aqui:








Pois é, eu também sei fazer arte.

Se você reparou nas fotos, agora eu guardo minhas bijouterias de bike nesta caixa. Uia!

Boas pedaladas!

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Holanda, país que pedala!

Nos vídeos abaixo você vai conhecer a ciclovia Spoorbaanpad (Railway Path) na Holanda. Apesar do nome, "trajetória ferroviária", ela não é uma ciclovia de uma antiga ferrovia, mas sim uma ciclovia que segue uma linha ferrovária na cidade mais jovem da Holanda, conhecida por Almere. E ao todo ela tem 11 quilômetros.
Vejam que ideia interessante para o nosso caos automobilístico no Brasil. Será que uma ciclovia como esta daria certo por aqui?



Que inveja boa! Queria que as coisas por aqui fossem assim também!

Boas pedaladas!

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Sim, "nóis é chique", "nóis anda de bicicleta"!

Quem disse que mulher arrumada, de saia ou vestido, e de salto não pedala?










o importante é ser feliz e pedalar!

Boas pedaladas!

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Afinal, o que é ciclorrota?

A ciclorrotas são rotas estratégicas para facilitar a vida dos ciclistas, e alertar os motoristas e motociclistas. São rotas que ajudam o ciclista a pedalar pela cidade de forma mais tranquila e segura, mas essas rotas podem ser compartilhadas por carros, ônibus, caminhões e motos, pois elas não são pintadas de vermelho como são as ciclovias e ciclofaixas demarcando o local separadamente de bikes e veículos. A CET as demarcou com uma bike pintada no chão a fim de comunicar os motoristas e motociclistas, que ali circurlam bicicletas, e a prioridade é do ciclista.

É uma forma de ajudar o ciclista a evitar grandes vias e não correr o risco de sofrer algum acidente, e claro, mais uma vez, orientar os motoristas e motociclistas que a bikes tem prioridade nessas rotas, e avisá-los que ali bikes são permitidas.

E não esquecendo que os ciclistas devem obedecer as leis de trânsito: não pedalar na contramão, parar na faixa de pedestre, esperar pelo semáforo verde, todas essas coisas que todos nós estamos cansados de saber, mas que infelizmente muitos não colocam em prática.

Aproveitando o post, leiam essa reportagem no Estadão sobre o aumento das ciclorrotas na cidade de São Paulo.

Boas pedaladas!

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

Médicos que educam... e PEDALAM!

Hoje eu fiquei pensando no quê escrever aqui e me deparei com esse vídeo no Youtube, e eu, como educadora, achei muito interessante.

Parafraseando Faustão: não basta ser médico, tem que participar!

Quando eu estava fazendo fisioterapia na Santa Casa, os estudantes de pós-gradução em Fisioterapia que eram os nossos profissionais ali disponíveis, e muitos deles vinham me pedir conselhos de qual melhor bike comprar, entre outras coisas, e muitos já pensavam na possibilidade de ir para o trabalho pedalando. 

Não sei se essa ideia deu certo, porque, felizmente, eu não faço mais fisioterapia, portanto não tenho mais contato com eles, mas torço para que a ideia não tenha ficado só na vontade.

Só que eu fiquei imensamente feliz em ver esse vídeo, porque como um deles no vídeo disse: "além de médico, a gente tem o papel de educador também, então sempre que a gente puder dar o exemplo para a população, pros amigos, pros familiares... eu acho que esse é o nosso papel".

Bom, chega de papo, e vejam o vídeo. É inspirador!



Boas pedaladas!

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Quando tudo começou e como estamos!


Em 2 de julho de 2008 eu resolvi criar este blog a fim de escrever sobre as trilhas e pedaladas que eu vinha fazendo até então.

Infelizmente, no ano seguinte, em 2009, as minhas pedaladas começaram a diminuir devido a eu ter mudado de emprego e profissão, e por esta razão eu estava em fase de adaptação e trabalhando no período da tarde e noite, além de trabalhar aos sábados... enfim, foi aí que eu pensei: “o que fazer do meu blog, se eu não tenho muito o que contar?”

Foi através de um e-mail trocado numa lista de discussão que surgiu a ideia de escrever sobre leis de trânsito, equipamentos e como se comportar no trânsito, seja numa cidade grande e louca como São Paulo, ou em qualquer outra, e daí em diante, eu não parei mais de escrever.

Eu tento escrever da maneira mais original possível. Os textos são todos escritos por mim, outros eu faço adaptações de sites em inglês, e outros que não são escritos por mim, eu tenho autorização do autor ou da autora, e divulgo o trabalho dele ou dela.

Não sou do tipo de ficar fazendo “telefone sem fio” e copiar textos de outros sites ou blogs.

Existem vários blogs e sites sobre o mesmo assunto que eu abordo aqui, mas infelizmente, alguns são descaradamente caras de pau. Copiam o texto até de jornais conceituados. Triste, mas acontece.

Procuro ainda não falar somente sobre de um determinado assunto, mas foco sempre em bicicleta, ciclismos e afins, sempre de forma divertida a fim de que todos possam ler e se divertir por aqui.

E o que mais me deixa feliz neste 2011 é que em apenas 1 mês de criação, a nossa page no Facebook tem 135 pessoas.

Sim, nossa página, porque a criei para todos nós, amantes de ciclismo! E a criei com a intenção de manter vocês informados sobre tudo o que acontece no mundo das magrelas, divulgando o trabalho de outros sites e blogs, sem ficar copiando e colando o conteúdo por aí!

E em 3 anos de existência, o blog já ultrapassou o número de 17 mil visitas.

E além do blog, a cada 15 dias, às sextas-feiras, eu escrevo para o BioCicleta, a convite do meu leitor Carlos Menezes.

Acrescentando que ainda podem me seguir através do Twitter @pe_devela.

Tudo isso na raça! Pois trabalho como professora para viver, esse blog aqui é só prazer!

Logo, logo farei algumas parcerias e espero que este blog em 2012 A-R-R-A-S-E! Uia!

Eu só tenho que agradecer a vocês, meus leitores. E também a Deus!

Rumo aos 1000 participantes no facebook.

clique na imagem acima para curtir a page no Facebook

E boas pedaladas!

domingo, 4 de dezembro de 2011

"...e muitos anos de vida!" pedalando, é claro.




Pois é, hoje faço 38 anos de vida... desses 38 anos, 7 são de pedaladas....hehehehe.

Na vida da gente acontece tanta coisa, o tempo passa, e a gente nem dá conta de tudo o que passamos até então.

Este post é para também pedir desculpas aos meus poucos leitores, pois fiquei alguns dias sem postar nada. Tive uns probleminhas de saúde... é, a idade...hehehehe.

Boas pedaladas!

terça-feira, 29 de novembro de 2011

Faça suas animações com uma roda de bicicleta!

Vocês conhecem o Cyclotrope?

O Cyclotrope é um ciclo de 18 imagens, que são giradas a uma certa velocidade e filmadas por uma câmera criando assim uma ilusão de animação. Muito bacana!




Acessem o blog The Cyclotrope e vejam mais dessas animações.
Boas pedaladas!

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

É a sua pedalada!

Este vídeo foi produzido para os pneus Hutchinson há 3 anos, mas veja o contraste da loucura e da tranquilidade de uma mesma cidade.

Ah... e para as milionárias que não podem pedalar de salto, vejam que a mulher está pedalando de meia calça, sapatinho, vestido, toda charmosa.

A única coisa que eu não gostei desse vídeo foi o fato de eles não estarem usando o capacete.

Divirtam-se!


Boas pedaladas!

domingo, 27 de novembro de 2011

Ciclovia do Rio Pinheiros, eu voltei!

Sete meses depois, finalmente eu volto a pedalar na ciclovia do Rio Pinheiros. Ah... que saudade!

Só que para eu chegar até ela levo cerca de 12km, pedalando da minha casa e, como meu braço ainda dói muito ao pedalar e também por estar fora dos pedais desde abril, eu só consegui pedalar 5km pela ciclovia, ou seja, 10km ao todo, pois foram 5 para ir e 5 para voltar, mas os 24km de ida e volta da minha casa... aff... estou só o pó da rabiola agora....hehehe. A ciclovia, por enquanto, tem 14km de extensão, e fazer apenas 5 foi, de certo modo, um pouco decepcionante para mim.

Mas eu sempre sou agraciada com visitas de capivaras, só que hoje eu acho que vi uma família inteira de capivaras: os avós, os pais e os filhos (risos)


Mas outra coisa em que eu me deparei nestes 5km foi uma ciclovia abandonada, precisando urgentemente de reforma.

Veja que o asfalto não está bem pintado mais.

Veja a "remenda" neste trecho, e olha que vi vários igual a esta.

Várias rachaduras em apenas 5km de pedaladas.

Isso eu tenho certeza que não foi um ciclista quem fez.
Outra coisa que eu até hoje não consigo entender é: por que temos que utilizar escadas para chegar até a ciclovia? Afinal, a ciclovia não foi criada para ciclistas? O.o

O melhor seria substituir essas escadas por rampas, porque temos pessoas com deficiência física que também pedalam, mas subir ou descer essas escadas é impossível para elas. Isso é mesmo de se lamentar, infelizmente.



Nem aqueles "caneletes" ajudam... só ajudam quem está com o corpo inteiro, entendem? Só servem para apoiar as rodas da bike e haja força para empurrar a bike. Ainda bem que neste ponto eu não tive problemas hoje, e mas quem tem apenas um braço? e quem não tem as pernas para pedalar? Como fazem?

Pelo menos temos pontos para descansar, beber água e usar o banheiro, e para isso existem paraciclos para nossas bikes.







Outro fator contra é que você tem que levar alguma coisa para comer durante o trajeto, pois não existem pontos de venda de nada, e 14km de pedal para quem sofre de hipoglicemia, diabetes ou pressão baixa é um sério problema.

De qualquer forma, a ciclovia do Rio Pinheiros ainda é a minha melhor opção de lugar para pedalar em São Paulo. Mesmo com todos esses problemas, eu adoro essa ciclovia. Recomendo!


Vejam mais fotos da ciclovia tiradas hoje aqui.

Só um aviso para aqueles que não sabem ler, vejam esta foto aqui:

Infelizmente eu sempre vejo os companheiros ciclistas pedalando aos arredores da estação para chegar até a escadaria que dá acesso à ciclovia. PQP... leiam a placa. Ou melhor, as placas, pois tem várias dessas avisando que ao chegar à estação Vila Olímpia  por favor, desmontem da bike e caminhem, há pedestres pelo caminho... pedestres: adultos, crianças, deficientes. Entendem? Porque nem preciso desenhar, né? dãããã

Boas pedaladas!

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Relembrando os velhos bons tempos!

Eu achava que já tinha visto de tudo na internet, mas eu me deparo com esse lindo vídeo. Que saudades dessa época. Eu já andei de velotrol e eu adorava! (risos)



Cycle of Love from Cat Marshall on Vimeo.

Boas pedaladas!

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

Há uma bicicleta entre nós!


Quando eu tinha uns 20 anos eu trabalhava numa videolocadora aos finais de semana para complementar a renda e, lá havia outro rapaz que trabalhava conosco que ia até a loja pedalando.

Até ai tuuuuuuuudo bem.

Até que um dia nós estávamos conversando - eu, ele e o gerente da loja -, sobre bicicletas. E como eu não entendia nada do assunto, fiquei apenas prestando atenção à conversa, e foi aí que ouvi o rapaz dizer:

“Ontem a minha namorada me pediu um ultimato: ou ela ou a bike, e é claro que eu escolhi a bike!”

Naquele instante eu achei esse comentário a coisa mais absurda e ridícula que eu já tinha ouvido na minha vida, e claro, fiquei tão P da vida que a discussão sobre o assunto, que até o momento era pacífica, quase saímos na mão... hahahaha. Brincadeira, mas é claro que eu fiquei muito brava com o comentário dele. Onde já se viu trocar uma namorada por uma bicicleta? Ele só pode ser louco mesmo.

 
Alguns dias depois ele foi assaltado e levaram a bike dele. Não sei se isso foi praga minha ou da ex...heheheh. Depois disso, eu nunca havia visto uma pessoa tão arrasada e tão pra baixo por causa de uma bicicleta.

Os anos foram passando, até que 11 anos depois desse dia eu me deparei com uma situação meio esquisita: levei um pé na bunda de um ex-namorado, e acabei ficando com a bicicleta. O.o

E não é que me apaixonei por ela?

Hoje eu entendo o amor que as pessoas sentem por suas magrelas, afinal, elas não te pedem nada em troca, não te exigem nada, estão sempre ali perto de nós, e nos proporcionam uma sensação de liberdade que só quem pedala sabe o que eu estou dizendo.

Eu posso dizer, com a boca escancarada cheia de dentes, que a magrela salvou a minha vida. Ela me tirou de uma depressão profunda, e hoje, eu digo com todas as letras: a bicicleta é meu antidepressivo, porque com ela me sinto sempre uma criança com um brinquedo novo toda vez que volto de um pedal.

 
Acho que é por isso que desde que comecei a pedalar não consegui mais arrumar namorado....hahahahaha...só uns rolos, porque, me faz a mesma pergunta que fizeram para o rapaz da videolocadora para saber a resposta que eu vou te dar, faz? (uia, Capitã Nascimento?)

Acho que você nem precisa se dar a esse trabalho, não é?...hehehehe

Não troco um bom pedal por homem nenhum neste mundo, a não ser que ele pedale também... Não sou boba, né?... uia!

Boas pedaladas!

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Ouvindo bike!

Eu estava lendo esse texto do Marcos Menezes no site BioCicleta, e me deparei com uma música muito antiga do Marcos Valle, sobre bicicleta. Eu até dei risadas, pois eu  a ouvia quando era adolescente, e ri mais ainda quando revi o vídeo, pois as roupas do vídeo são muito bregas hoje em dia, e eu cheguei a usá-las nessa mesma época, afinal o vídeo é de 1984, ou seja, eu tinha 11 anos... hahahaha. Como é bom relembrar o passado, não é?

Mas o detalhe mais importante do post de hoje é: repare bem na letra da música, é muito brega...hehehehe

E divirtam-se!


Boas pedaladas!

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Por que fazer um bike fit? (parte 2)

Se você leu o post anterior, aproveite para ver os vídeos abaixo para poder entender um pouco melhor como funciona "esse tal de bike fit". Se não leu, leia antes para não ficar "viajando na maionese".



E boas pedaladas!

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

Por que fazer um bike fit?

por Carlos Menezes*

Se existe um assunto que sempre assombra os pensamentos de qualquer ciclista é: Será que estou pedalando corretamente?

Essa dúvida paira a cabeça de qualquer ciclista desde o momento da compra da bike. Quando você chega a uma loja e pergunta: Qual é o tamanho da minha bike? Vai ouvir uma série de respostas, explicações e justificativas. Se optar por sair de uma loja e entrar em outra com a mesma pergunta, vai ficar ainda mais confuso ao perceber que não existe coerência alguma entre as respostas obtidas. Ou o que é pior, muitas vezes ouvimos respostas prontas que se você perguntar a justificativa de tal regra colocara o interlocutor em apuros. Mitos são criados e repetidos tantas vezes que se tornam verdade.

1) Basta multiplicar a altura do seu cavalo pelo coeficiente XYZ.

Incrível como esse coeficiente nunca é um numero fixo. E pior ainda, se você questionar porque se deve multiplicar por esse numero ninguém sabe responder, ou seja, apenas repetem algo que ouviram alguém dizer. E se por ventura encontrar alguém que tenha explicação de onde foi tirado esse coeficiente, entenda que esse numero nada mais significa que tabularam a altura média de cavalo para determinado tamanho de quadro. Mas seu perfil antropométrico está média? Essa média foi calculada com padrões brasileiros, norte americanos ou europeus. Será que minha distribuição nos comprimentos de pernas, braços, tronco, estão dentro dos padrões estabelecidos?

2) Basta colocar uma mesa mais curta

Mudar o comprimento da mesa influência diretamente a inclinação do tronco ao solo, e o ângulo de abertura do arm pit (formado por pontos anatômicos específicos localizados na articulação do quadril, ombro e cotovelo). Essas mudanças são as principais responsáveis por dores cervicais, lombares, formigamento das mãos e períneo.

3) Basta adiantar ou recuar o selim

A mudança na distancia do recuo do selim também pode apresentar os mesmos sintomas do item anterior e ainda implica na perca significativa da potencia da pedalada. Quando pontos anatômicos especificamente identificados no joelho e pé estão desalinhados, a energia aplicada no pedal é dissipada diminuído o Trabalho sobre o pedal.

4) Se você pedala uma bike Y basta comprar outra bike Y

Duas bikes que apresentam o quadro com o mesmo tamanho Y, significa apenas que possuem o mesmo tamanho de seat tube. E o que é pior, mesmo que encontre duas bikes com mesmo seat tube e mesmo top tube, mesmo assim existem grandes chances delas serem diferentes devido ao Stack e Reach. Com isso é muito comum ouvirmos ciclistas dizem que existem quadros: altos, baixos, longos, curtos, compridos, alongados. Mas isso tudo se deve a percepções que muitas vezes estão mais relacionados ao tamanho de mesa, pedivela, canote, etc; do que com a geometria do quadro propriamente dita.

Fabricantes de bicicletas investem milhões em estudos para chegar ao ponto de desenvolver máquinas extremamente rápidas e confortáveis. Essas mudanças feitas a cada ano leva em consideração particularidades da anatomia humana e comprar uma bike multiplicando por uma formula é pegar todos esses estudos e investimentos e jogá-los no lixo. Ao mesmo tempo que as empresas investem em quadros para atender as particularidades a multiplicação por formulas coloca todas as bikes em um mesmo patamar. Se fosse assim, bastaria existir uma única geometria e cada uma colocar sua marca.

Você então deve estar se perguntando. Como então devo proceder para não errar na compra da bike? Gostaria muito de poder ajudá-lo com uma resposta simples e minimalista, mas o processo não é tão simples assim. Você não tem saída a não ser procurar por um profissional especializado para orientá-lo na compra e regulagem da sua bike. E ai entra outro cuidado, existem muitas pessoas que fazem a leitura de artigos na internet e saem repetindo como se fosse especialista no assunto. A única maneira de comprar e ajustar uma bike e trabalhar com as medidas de stack & reach. É preciso ter um bom conhecimento de Bike Fit e de geometrias de quadros para constituir um bom raciocínio e estabelecer boas correlações.

Investir em um bom Bike Fit é acima de tudo trocar a dúvida pela certeza e isso precisa ser valorizado. Você precisa apenas escolher como quer fazer seus pedais. Da maneira correta ou incorreta.

*Carlos Menezes é graduado e mestre pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU) e professor universitário. Criador e redator do site BioCicleta, colunista da revista Cultura & Cia, revista Bicicleta e do portal uipi. Ciclista convicto, cicloturista pela Federação Paulista de Ciclismo e atleta de Mountain Bike. Atualmente atua como Fitter do “Estúdio Carlos Menezes de Bike Fit”.

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

Como pedalar no trânsito?: Colisões (10)


Já falei sobre isso aqui várias vezes, mas acho que não custa nada falar de novo. 

Ciclista, jamais pedale na contramão.

Todo motorista que está trafegando em sua mão sempre espera que os outros veículos também estejam fazendo a mesma coisa, caso contrário, é acidente na certa se o reflexo do motorista não for muito rápido. Pensem, ciclistas, que nas ruas também existem motoristas bêbados, infelizmente, mas existem, e você não precisa ser um exímio conhecedor de bêbados para saber que quem bebe demais, os reflexos se tornam mais lentos.

Uma das coisas que acontecem nessa situação é que o motorista não tem muita noção se você está indo ou vindo se você estiver numa distância muito longe dele, do motorista.

Outra é que se houver um impacto, o resultado desse impacto entre ciclista e motorista será somada, ou seja, se você estiver a 10km/h e o carro a 90km/h, o resultado do impacto será de 100km/h. Consegue imaginar o que poderia acontecer com você? Agora imagine, também, se esse veículo for de grande porte?

Outro lembrete é que uma bike pesa em média 15kg e um carro varia de 500kg a 1 tonelada. Se você não morrer no impacto, provavelmente, terá sequelas para o resto de sua vida.

Agora reparem bem na imagem abaixo:

Nenhum motorista espera que venha um ciclista quando ele for fazer uma conversão à esquerda ou à direita, e aí a história é a mesma que eu acabei de escrever neste post.

Eu já vi essa cena várias vezes, e ainda bem que estavam em velocidades baixas e com reflexos bem rápidos de ambas as partes, mas aposto que aquelas cenas que eu não presenciei o pior, aconteceu o pior.

Não pedale na contramão, se for mesmo muito necessário, utilize a calçada, mas nesse momento preste muita atenção nos pedestres, ou desça da bike e empurre-a. Caso contrário, procure outra rota para chegar ao destino desejado.

Contrário do que muitos pensam, pedalar na contramão não ajuda você a ter uma visão melhor, pense que quem está dirigindo é que não tem um visão melhor de você. E o CBT diz que a bicicleta é um veículo movido a propulsão humana, portanto, deve obedecer as leis de trânsito: trafegar na mão correta.

Não coloque sua vida em risco, e menos ainda, não coloque a vida dos outros em risco.

Pedale certo, pedale na mesma mão que os carros, motos, ônibus etc.
Boas pedaladas!